Revista da Associação Médica Brasileira Revista da Associação Médica Brasileira
Rev Assoc Med Bras. 2013;59:629-38 - Vol. 59 Núm.06 DOI: 10.1016/j.ramb.2013.05.003

Efeito rebote dos fármacos modernos: evento adverso grave desconhecido pelos profissionais da saúde

Marcus Zulian Teixeira a,

a Disciplina Fundamentos da Homeopatia, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil

Resumo

Objetivo

Apoiado no aforismo hipocrático primum non nocere, o princípio bioético da não maleficência roga que o ato médico cause o menor dano ou agravo à saúde do paciente, incumbindo ao médico avaliar os riscos de determinada terapêutica por meio do conhecimento dos possíveis eventos adversos das drogas. Dentre esses, o efeito rebote representa um efeito colateral comum a inúmeras classes de fármacos modernos, podendo causar transtornos graves e fatais nos pacientes. Esta revisão tem o objetivo de esclarecer os profissionais da saúde sobre os aspectos clínicos e epidemiológicos do fenômeno rebote.

Métodos

Uma revisão qualitativa, exploratória e bibliográfica foi realizada na base de dados PubMed utilizando os unitermos ‘rebound’, ‘withdrawal’, ‘paradoxical’, ‘acetylsalicylic acid’, ‘anti-inflammatory’, ‘bronchodilator’, ‘antidepressant’, ‘statin’, ‘proton pump inhibitor’ and ‘bisphosphonate’.

Resultados

O efeito rebote ocorre após a descontinuação de inúmeras classes de fármacos com ação contrária aos distúrbios da doença, exacerbando-os a níveis superiores aos anteriores do tratamento. Independente da doença, da droga e da duração do tratamento, o fenômeno se manifesta numa pequena proporção de indivíduos suscetíveis. No entanto, pode causar eventos adversos graves e fatais, devendo ser considerado um problema de saúde pública em vista do enorme consumo de fármacos pela população.

Conclusão

Reunindo um corpo de evidências crescente e inquestionável, o médico precisa ter conhecimento das consequências do efeito rebote e de como minimizá-lo, aumentando a segurança no manejo das drogas modernas. Por outro lado, este efeito rebote pode ser utilizado de forma curativa, ampliando o espectro da terapêutica moderna.